Sadhana Informática
Procurar: ok






Posições obtidas
das efemérides
do programa
Astrologia Natal


Você está aqui: Home > Leituras > Textos e Artigos > Animais que reagem à Lua e ao efeito das marés

Seção de Textos e Artigos


Animais que reagem à Lua e ao efeito das marés
extraído da National Geographic
e enviado por Benedito José Paccanaro


Como os marinheiros que se orientam com a ajuda de um sextante, alguns besouros, formigas, aranhas e aves usam a luz do Sol para se manter no rumo.

Já o besouro africano Scarabaeus zambesianus é bem mais sensível: ele consegue guiar-se pela claridade da Lua, que tem apenas l milionésimo do brilho da luz solar.

Esses besouros, porém, não usam o luar diretamente. Quando a luz da Lua incide nas moléculas do ar na atmosfera terrestre, os raios se dispersam ao longo de planos divergentes. E é essa rede de luz polarizada que serve de guia aos besouros.

Quando cai a noite, eles se lançam em uma disputa pelo estrume de antílopes ou javalis-africanos – sua principal fonte de alimento. Cada inseto faz uma bolinha de estrume e, movendo-se de costas e com a cabeça abaixada, rola a bolinha com as patas traseiras, levando-a para longe dos outros. “Isso permite que as partes de seus olhos sensíveis à luz polarizada fiquem voltadas para o céu”, explica a bióloga Marie Dacke, da Universidade de Lund, na Suécia.

Graças aos raios polarizados de luar, cada besouro consegue rolar em linha reta sua bolota de excrementos, evitando choques com besouros rivais. Nas noites sem luar, eles não saem em busca de alimento. Após retornarem às tocas, os besouros banqueteiam-se durante dias.

Pólipos coralinos – na Grande Barreira de Corais, se reproduzem após a lua cheia em outubro ou novembro, provocando um nevasca de óvulos e esperma.

Caranguejos-reais – se acasalam na América do Norte nas luas nova e cheia em maio e junho.

Peixes-rei – lançam-se à praia para se reproduzir na Califórnia algumas noites após as luas cheia ou nova, entre fevereiro e setembro.

Algumas mariposas são atraídas para o céu por causa do luar e viajam por longas distâncias em correntes de baixa altitude.

 

Fonte: revista National Geographic – março 2004


Texto enviado por:
Benedito José Paccanaro
bjpaccanaro@uol.com.br

Publicado neste site em 22/01/2007

Vega Plus Online


Publique o seu texto

  • Envie o seu texto para o e-mail


Voltar
Voltar à lista de artigos